Fórum de Reflexão Económica e Social

«Se não interviermos e desistirmos, falhamos»

sábado, abril 25, 2015

Liverdade’s trip to Portugal


The unit of democracy of the Economic and Social Reflection Forum (strictly speaking, only some of its members, lest anyone belonging to the Forum gets uneasy with the generalization) has invited Mrs. Liverdade to visit our country at this time, when people celebrate the 41st anniversary of the April 25 Revolution. In Portuguese “liverdade” results from the wedding between “liberdade” (freedom) and “verdade” (truth). In the end of the trip there was a pleasant and enriching conversation during some hours in which she wove high praise to our people, climate, food, history and nature, followed by a range of images that flatter greatly the Nation.

Liverdade has got some singular features such as a peculiar and aquiline form of analyzing and describing what she observes as well as a sweet and comforting tone when she talks. Passionate about those features, the Forum has asked her that, under a personal and succinct style (with comprehensive answers and words on the tip of the thought), she described 41 themes based on the registration made during the trip. The approach this woman has about the World and the attention she deposits in our country confirm that she should do regular and lasting visits to Portugal. Although Liverdade is foreign, she expresses in Portuguese as well as ourselves do, being confused with a national citizen by operation of law.

If democracy was older, more subjects would be asked her to comment. It is advised that decision-makers of the Lusitanian way read carefully the Lady Liverdade’s ideas. As a promoting of “liverdade”, she is an example for all democracies, from the most incipient to the most consolidated. In the next visit to our land it is required that a State personnel takes charged of providing her welcome, and that, before her return, the President of the Portuguese Republic honors the affection she has given to our people.

1. Carnation Revolution

The Carnation Revolution was born with the army’s wise decision of diverting the route of a ship that for a long time was walking to its luck and that it was nearly going to hit against dark and dangerous rocks. Being the route diverted, it was set up a rough sketch of the new path, which by now seems not to leave the paper. It was changed from the leak danger to the stranding danger, so another revolution urges to decide and to design. It must also be peaceful but much stronger, this time born mainly by civilians.

2. Equal opportunities

Equal opportunities principle is the placebo of inequalities among citizens. There will be genuine equal opportunities in a society when people accept the role reversal: disassembling who rides a horse, and assembling who walks on foot. So everyone would become versatile and would be gifted of a wider range of skills to face the challenges: each person would know to ride a horse and to walk on foot.

3. Cynical societies

In cynical societies, under the cloak of healthy interaction between promotion of equal opportunities and combating social exclusion, people tolerate who at the same time feeds plentifully the ego of opulence and abundance as well as other soul addictions and by contrast atones himself looking for feeding with few crumbs the sufferers’ body.

4. Social inequalities

While there are honorable citizens who do fall dawn into poverty and others rich citizens who do not know the honor, it is under fire the fallacy that equal opportunities solves social inequalities.

5. Social cruelty

A democratic country with a part of its children – at least 20% – below the poverty line is not poor; it is cruel. Additionally to social fratricide, cruelty reveals the majority of its citizens has got gallinaceous mind because, in spite of feeling the future and the survival are in danger, the same majority insists butting the glass wall only by the inability to deviate from the obstacle. Who relativizes the reality comparing with worse situations in other countries lives surely in a poultry house well above the threshold aforementioned.

6. Extreme poverty

The richest people live in extreme poverty more times than the others because they do ignore often injustices. Voters should decide what level of poverty must be tolerated.

7. Loneliness estuary

Loneliness is one of the most levelling and less equitable feelings. It is quite levelling because it attacks all social strata, rich and poor people, and it places them at similar levels. It is inequitable because by the estuary the way is different: when loneliness attacks a rich person, this person gets worse because he becomes poor; but when it attacks a poor person, the same person stays about the same because he does not move from poor.

8. End of hunger

Hunger joins forces often with the Nature to give lessons the Man how wrong many of his decisions have been taken, such as turning the land fertility in cement and asphalt areas without any hesitation or criterion. Therefore, killing the hunger is unlikely as ending the war or as assuring the man respects the Nature.

9. Countries and States

Country majority should be proportional to State minority. The greater the nation sustainability degree, the smaller the gap between the incomes of chieftains and corporations that depend on the State and the incomes of folk, the true picture of any country.

10. Incoherent societies

The power is to people as the State is to country. A society runs coherently if national resources are distributed on the basis of both the minor weight of the power and the major weight of the people. Utopian situations of rich countries with poor States and frequent cases of poor countries with rich States are examples of incoherent societies.

11. Social disorder

Social disorder comes out originally from the functional inconsistency extension between the groups of the (minor) power and the (major) people to the personal inconsistency among the elements of each those groups.

12. State of citizenship

A State of citizenship is characterized by the democratic correctness, singularity where democratic values are above democratic players, or rather where pure respect for the citizens’ dignity is above the (even though legitimate) political, corporative and individual interests.

13. Money universality

Money is the most universal solvent. Everything is dissolved in the money: from the addictions that lead to drop of both rich and poor people to the attempts to eliminate the same addictions.

14. States of souls

The spirit commanders’ soul is infinite, whereas the money solders’ soul lives worried. The money commanders’ soul is small, whereas the spirit solders’ soul lives serene.

15. Humility force

The force that decides is not physical but spiritual. The need feeds and puts on weight physical force; the humility builds and enhances spiritual force.

16. Weakness ranked

Worse than the credulous weakness, which abounds in resigned people who give up fighting, is the trembling weakness, which proliferates in addicted people who insist on not changing. Accepting the first is abdicating citizenship; accepting the second is disbelieving in democracy.

17. Example of resignation

Portuguese fishermen have a so huge resignation that it does not fit in the sea and a so tiny hope that it does not fill in a hand.

18. Fog of hope

Hope will come in the fog, fly over the trees and reap some of its fruits and, after it is delighted and cozy, it will land on the boat of fishermen who engage spending time and energy into the river to catch some fishes for their sustenance.

19. Future of Lusatlântida

The future enlargement of the Exclusive Economic Zone will mark the birth of a new and potentially prosperous nation: Lusatlântida. However there will be no surprise that it will be also extend the closed season of bread at fishermen’s table.

20. People’s character

Granite stones on the ground are elected, which consolidate the folk’s strength that suffers but cries just for himself.

21. Welfare State

Welfare State is the sparrow of the politics. «All birds eat corn but the sparrow is always the guilty.» Despite everybody, with greater or lesser extent, benefits the State, especially the huge business contracts with the public sector invariably harmful to the latter, welfare State is a target of constant criticism: or for being large, or for being small, or for being neither large nor small.

22. Mechanization and solidarity

The greater the mechanization, the greater production volume achieved and the lower required workforce. Additional profits and bulky unemployed people. Mechanization is therefore an automatic process to increase institutional solidarity and welfare State, or alternatively to expand charity and poverty.

23. Humanistic societies

In humanistic societies compassion and dignity protection are not an option surrendered to concerned citizens’ mercy; in contrast they should be a State enforcement aware of its duties. Natural unequal income distributions are mitigated by taxation of the strongest and by solidarity, not by sympathy for the weakest or by charity.

24. Supreme solidarity

In the pitch-loneliness an old lady with dark nails overcomes time sharing her meager bread with tens of pigeons’ incessant hunger. The only witness is a stone cross that, in attentive silence, applauds such model of supreme solidarity.

25. Attested seriousness

Businesses are fair when they are beneficial for both parties – it is a cliché. To assess and recognize their usefulness, it is essential that the parties have a similar information level, and that the usefulness perception is not limited to the time of negotiating act. The maximum level of rare attested seriousness is achieved by who has the decency to warn the others contracting parties that, unlike these parties understand, the business is not fair for themselves because one of those two conditions is not fulfilled.

26. Errors and remorse

The error is to sin as remorse is to repentance. Additionally, as the sinners’ redemption relieves the souls, the error is a learning source and even of possible future happiness. As the penitent’s judgment afflicts the souls, remorse is a sadness source and often constant agony. Each person has an own errors scale and remorse scale. Blessed are those who meet errors but live without remorse.

27. Pain and grudge

A person’s pain leads to the teaching and internal peace, whereas the grudge leads to the resentment and external war.

28. Horizon of wisdom

A person reaches the supreme wisdom as the same he broadens the horizon of own actual capacities. That wisdom is by beginning to know the line between curable lack of knowledge and chronic ignorance.

29. Stubbornness and opinion

Assertive stubbornness is usually mixed with sure opinion when both of them reflect indeed different approaches. The first is unilateral and emotional whereas the second is bilateral and rational. Stubbornness is the result of instinct and the expression that an idea with solid subjective support represents a dogma. Instead, opinion is the result of the work based on a previous objective analysis even if poorly done, therefore it is much more frequent correcting or reversing sure opinions than assertive stubbornness.

30. Communism and capitalism

Communism and capitalism are para-religious doctrines. Communism followers are utopian para-religious; capitalism followers are opportunist para-religious.

31. Partisan bipolarization

Partisan bipolarization is like painting a two-color world, which is not necessarily worse than living in multicolored worlds; it depends on the players. Sometimes the anarchy of colors addresses the issue whether it is preferable a multicolored world leading to the blindness arrest rather than a dusty world that forces the thought freedom. Therefore, more than the number of colors, the most relevant is the type of colors that the parties use.

32. Emigration process

Emigration is a changing process of the lap homesickness. In the first stage, the homesickness transported upon the departure sadness turns into growing courage to create value. The process ends at the time of the happiness return with new ideas on suitcase, with which the future thrives.

33. Cluster of emigration

So evil for the country that knows no emigration: or it lives the utopian madness of having all people resigned, or it lives the dictatorial punishment of having all people castrated. Therefore, it is put the challenge of changing a timeless inevitability into a future cluster. Each country must decide what kind of emigration it wants to identify with: emigration based on the value and the head or based on the strength and the heart.

34. Prize awarding

Everyone is happy when accepts a prize awarded for attested merit. A person is triply happy if it is declined a prize taking into account: the merit awareness; the pleasure of enjoying the decline moment to be the voice of discreet or suppressed unrecognized talents; and the silent accusation oriented to vain award-winners that do not have the humility to return tarnished rewards when it is proved the prizes are subsequently undeserved.

35. Social entrepreneurship

If much of the individual entrepreneurship publicly disclosed is little more durable than festivities with fireworks, the so exciting social entrepreneurship is an episode of blank powder not few times trivialized and vandalized. Who is selfless and has a humanistic sense that forces thinking beyond the first person does not need to associate with the social entrepreneurship. That person thinks and acts on behalf of collective utility, without spending time with the coming of laurels that quickly dry out and are without their natural properties.

36. Types of happiness

Happiness can be supreme, earthly or obscene. Who attains the supreme happiness struggles for common good, regardless of effect caused in own self-interest, even sometimes selfless. Who gets the earthly happiness has the awareness to prevent that the defense of individual good brings damage for common good. Who reaches the obscene happiness wants the best for own person, no matter what happens to common good. The first is rare and the second should be normal; but the third is perhaps the most regular.

37. Nobel innovation prize

The first Nobel innovation Prize should be awarded to whoever had the ability to articulate politics with honesty, pruning the power vices and grafting the same power honor principles to promote the best interests of common good and collective future.

38. Madness and deceit

There are two ways for people fly without aid machines: or trusting blindly in their own illusions or in others’ lies. Both ways are not efficient: the first, for lack of adherence to reality; the second, for lack of adherence to truth. However the former is much less polluting; the personal madness of who, under an own willing, does not conduct the fate is better than the collective deceit that, for manipulation, defaces the candid people’s fate.

39. Truth and independence

People are independent if they think on their own initiative and their political representatives follow the truth. These two conditions only happen when citizens have the unusual humility to require such truth and to recognize that only with truth the justice is reached. Who believes it is difficult to reach the truth is wrong. Truth is reached with two simple but valuable ingredients: bread and education.

40. Secure bridges

The safest bridges link very different margins of thoughts. The development level of a society is proportional to its bridges of thought. The separation ideas raised as power signal are hit in bunkers of thought which will be destroyed and run under the bridges.

41. Unconditional freedom

Unconditional freedom is an illusion because it requires that citizens’ thought is unconditional and free of any order. There are thoughts about clear and universal truths that depend on authorization to refloat and sail. It is the revolution in freedom still to do; this time only civilians can accomplish it.

sexta-feira, abril 24, 2015

Viagem da Liverdade a Portugal


O FRES Democracia – em rigor foram alguns membros fresianos, não vá alguém do grupo ficar melindrado com a generalização – convidou a Senhora Liverdade a visitar o nosso País, nesta altura em que se comemora o 41.º aniversário do 25 de Abril. No fim, houve uma agradável e enriquecedora conversa de algumas horas, na qual ela teceu rasgados elogios ao povo, ao clima, à gastronomia, à História, à Natureza, elogios acompanhados por uma série de imagens que lisonjeiam sobremaneira a Nação.

Apaixonado pela forma peculiar e aquilina de a Liverdade analisar e descrever o que observa, e pelo tom doce e reconfortante com que fala, o FRES pediu-lhe que, ao estilo das respostas sucintas mas abrangentes que dá, com as palavras na ponta do pensamento, caracterizasse 41 temas com base no que registou da viagem. A abordagem que essa Mulher tem do Mundo e a atenção que deposita no nosso País confirmam que ela deveria fazer-nos visitas regulares e duradouras. Apesar de estrangeira, expressa-se e reflete em português tão bem como nós próprios, confundindo-se com uma cidadã nacional de pleno direito.

Tivesse a democracia mais idade, mais assuntos lhe seriam solicitados para comentar. Aconselha-se a que os decisores do rumo lusitano leiam cuidadosamente as ideias da Senhora Liverdade, fautora dessa mesma liverdade, exemplo para quaisquer democracias, das mais incipientes às mais consolidadas. Na próxima visita à nossa terra, que uma figura do Estado se encarregue de dar-lhe as boas-vindas e que, antes do seu regresso, o Presidente da República a agracie pelo carinho concedido ao povo português.

1. Revolução dos Cravos

Com a decisão sensata de os militares desviarem a rota dum navio que há muito andava à sua sorte e que estava prestes a embater contra escuros e tenebrosos rochedos, deu-se a Revolução dos Cravos. Com a rota desviada, definiu-se um esboço do novo trajeto, esboço que até agora parece não sair do papel. Passou-se do perigo do rombo para o do encalhe, pelo que outra revolução urge decidir e projetar. Igualmente pacífica mas terá de ser muito mais forte, desta vez nascida sobretudo dos civis.

2. Igualdade de oportunidades

A igualdade de oportunidades é o placebo das desigualdades entre os cidadãos. Haverá genuína igualdade de oportunidades numa sociedade quando as pessoas aceitarem a troca de papéis: apear-se quem anda montado, e montar-se quem anda a pé. Assim todos passariam a ser polivalentes e dotados dum maior leque de competências para encarar os desafios: saberiam montar e andar a pé.

3. Sociedades cínicas

Em sociedades cínicas, sob o pretexto do convívio salutar entre a promoção da igualdade de oportunidades e o combate à exclusão social, o povo tolera quem, ao mesmo tempo, alimenta à tripa forra o ego da opulência, da abundância e de demais vícios da alma, e em contraste penitencia-se procurando alimentar com míseras migalhas o corpo dos desvalidos.

4. Desigualdades sociais

Enquanto houver cidadãos honrados que caem na pobreza e outros ricos que desconhecem a honra, está sob fogo a falácia de que a igualdade de oportunidades resolve as desigualdades sociais.

5. Crueldade social

Um país democrático com uma parte das suas crianças – pelo menos 20% – abaixo do limiar da pobreza não é pobre; é cruel. Além de fratricídio social, a crueldade revela que a maioria dos seus cidadãos tem mente galinácea porque, apesar de sentir que o futuro e a sobrevivência estão em perigo, insiste em dar cabeçadas na parede de vidro só pela incapacidade de se desviar do obstáculo. Quem relativiza a realidade comparando-a com situações piores noutros países, encontra-se seguramente numa capoeira bem acima daquele limiar.

6. Pobreza extrema

Os mais ricos são quem mais vivem em pobreza extrema porque costumam ignorar as injustiças. Cabe aos eleitores decidirem qual o nível de pobreza tolerada.

7. Foz da solidão

A solidão é um dos sentimentos mais niveladores e menos equitativos. É bastante nivelador porque ataca pessoas de todos os estratos, ricos e pobres, e coloca-as em níveis semelhantes. É pouco equitativo porque até à foz o caminho é diferenciado: quando ataca os mais ricos, estes ficam piores, por passarem a pobres; mas quando ataca os mais pobres, estes ficam sensivelmente na mesma, por não passarem de pobres.

8. Fim da fome

Frequentemente a fome alia-se à Natureza para fazer ver ao Homem quão erradas têm sido muitas das suas decisões, como é o caso de transformar sem hesitação ou critério a fertilidade das terras em áreas de cimento e asfalto. Portanto, matar a fome é tão improvável como acabar com a guerra, ou como garantir que o Homem respeita a Natureza.

9. Países e Estados

A maioria dum país deve ser proporcional à minoria do Estado. O grau de sustentabilidade duma nação é tanto maior quanto menor o hiato entre os rendimentos dos caciques do Estado e das corporações que dele dependem e os do povo, o fiel retrato de qualquer país.

10. Sociedades incoerentes

O poder está para o povo, assim como o Estado está para o país. Uma sociedade funciona coerentemente se os recursos nacionais forem distribuídos em função dos pesos minoritário do poder e maioritário do povo. As situações utópicas de países ricos com Estados pobres, bem como os casos frequentes de países pobres com Estados ricos, são exemplos de sociedades incoerentes.

11. Desregulação social

Originalmente a desregulação social resulta da extensão da incoerência funcional entre os conjuntos do poder (minoritário) e do povo (maioritário) à incoerência pessoal entre os elementos de cada um desses conjuntos.

12. Estado de cidadania

Um Estado de cidadania caracteriza-se pelo aprumo democrático, invulgaridade onde os valores democráticos estão acima dos agentes democráticos, ou melhor, onde o respeito são pela dignidade dos cidadãos está acima dos (se bem que legítimos) interesses políticos, corporativos e individuais.

13. Universalidade do dinheiro

O dinheiro é o solvente mais universal. Nele tudo se dissolve: desde os vícios que levam ao declínio tanto de ricos como de pobres até às tentativas de eliminar os mesmos vícios.

14. Estados de almas

A alma dos comandantes do espírito é infinita, enquanto a dos soldados do dinheiro vive aflita. A alma dos comandantes do dinheiro é pequena, enquanto a dos soldados do espírito vive serena.

15. Força da humildade

A força que decide não é a física mas a espiritual. A necessidade alimenta e engorda a força física; a humildade constrói e engrandece a força espiritual.

16. Fraqueza hierarquizada

Pior do que a fraqueza ingénua, a que abunda nos resignados que desistem de lutar, é a fraqueza trémula, a que prolifera nos viciados que insistem em não mudar. Aceitar a primeira é abdicar da cidadania; aceitar a segunda é descrer da democracia.

17. Exemplo de resignação

Os pescadores portugueses têm uma resignação tão enorme que não cabe no mar e uma esperança tão diminuta que não enche uma mão.

18. Nevoeiro da esperança

A esperança virá no nevoeiro, sobrevoará as árvores, colherá alguns dos seus frutos e, deliciada e aconchegada, aterrará no barco dos pescadores que se entretêm a consumir o tempo e a energia no rio para apanhar alguns peixes para o seu sustento.

19. Futuro da Lusatlântida

O futuro alargamento da Zona Económica Exclusiva marcará o nascimento duma nova nação potencialmente próspera: a Lusatlântida. Não surpreenderá contudo que se alargará também o período de defeso de pão à mesa dos pescadores.

20. Caráter do povo

Elegem-se pedras de granito sobre o chão do passado, que consolidam a força dum povo que sofre mas chora só para si.

21. Estado social

O Estado social é o pardal da política. «Todos os pássaros comem milho mas a culpa é sempre do pardal.» Não obstante todos, em maior ou menor grau, beneficiarem do Estado, com destaque para os negócios avultados celebrados com o setor público invariavelmente prejudiciais para este, o Estado social é um alvo de críticas constantes: ou por ser grande, ou por ser pequeno, ou por não ser nem grande nem pequeno.

22. Mecanização e solidariedade

Quanto maior a mecanização, maior o volume de produção alcançado e menor a força de trabalho necessária. Adicionais lucros e acrescidos desempregados. Portanto, a mecanização constitui um processo automático para aumentar a solidariedade institucional e o Estado social, ou alternativamente para densificar a caridade e a miséria.

23. Sociedades humanistas

Em sociedades humanistas, a misericórdia e a proteção da dignidade não são uma opção deixada à mercê dos cidadãos conscientes mas sim uma imposição do Estado ciente das suas funções. As naturais desigualdades na repartição do rendimento esbatem-se pela tributação dos mais fortes e pela solidariedade, e não pela comiseração dos mais fracos e pela caridade.

24. Suma solidariedade

No breu da solidão uma velhota de unhas escuras vence o tempo repartindo o seu magro pão com o incessante apetite de dezenas de pombos. A única testemunha é uma cruz de pedra que, em silêncio atento, aplaude o gesto da suma solidariedade.

25. Seriedade certificada

Os negócios são justos quando são benéficos para ambas as partes – é frase feita. Para aferir e reconhecer a utilidade dos mesmos, é imprescindível que as partes disponham de semelhante nível de informação, e que a perceção da utilidade não se confina ao momento do ato negocial. O patamar máximo da rara sinceridade certificada é alcançado por quem tem a hombridade de avisar o contratante que, ao contrário do que este entende, o negócio não é justo para si, por não se verificar algum dos dois requisitos.

26. Erros e remorsos

O erro está para o pecado, assim como o remorso está para o arrependimento. Adicionalmente, tal como a remição dos pecadores alivia as almas, o erro é fonte de aprendizagem e até de eventual alegria futura. Tal como o julgamento dos arrependidos aflige as almas, o remorso é fonte de tristeza e muitas vezes de agonia constante. Cada pessoa tem a sua escala de erros e de remorsos. Felizes dos que erram mas vivem sem remorsos.

27. Dor e rancor

A dor duma pessoa conduz ao ensinamento e à paz interior, enquanto o rancor conduz ao ressentimento e à guerra exterior.

28. Horizonte da sabedoria

Uma pessoa atinge a suprema sabedoria à medida que vai alargando o horizonte das suas efetivas capacidades. Essa sabedoria começa por conhecer a fronteira entre o desconhecimento curável e a ignorância crónica.

29. Teimosia e opinião

Costumam misturar-se teimosia assertiva com opinião convicta, quando traduzem manifestações deveras diferentes. A primeira é unilateral e emocional, enquanto a segunda é bilateral e racional. A teimosia é o resultado do instinto e a expressão de que uma ideia com sólido suporte subjetivo constitui um dogma. Ao invés, a opinião é o resultado do trabalho da prévia análise objetiva, mesmo que insuficientemente realizada, daí que seja bastante mais frequente corrigir ou inverter opiniões convictas do que teimosias assertivas.

30. Comunismo e capitalismo

O comunismo e o capitalismo são doutrinas para-religiosas. Os para-religiosos do comunismo são utópicos; os do capitalismo são oportunistas.

31. Bipolarização partidária

A bipolarização partidária é como pintar um mundo bicolor, que não é necessariamente pior do que viver em mundos multicolores; depende dos intervenientes. Às vezes a anarquia de cores leva a questionar se é preferível um mundo multicolor que conduza à prisão da cegueira ou um mundo trevoso que force a liberdade do pensamento. Portanto, mais do que o número de cores, importa o tipo de cores que os partidos utilizam.

32. Processo emigratório

A emigração é um processo de transformação da saudade do regaço. Na primeira fase, a saudade transportada aquando da tristeza da partida transforma-se em coragem crescente para criar valor. O processo termina no momento da alegria do regresso com novas ideias na mala de viagem, com as quais o futuro prospera.

33. Cluster da emigração

Mal do país que não conhece a emigração: ou vive na loucura utópica de ter todo o povo conformado, ou no castigo ditatorial de ter todo o povo castrado. Logo, coloca-se o desafio de transformar uma inevitabilidade intemporal num cluster de futuro. Cabe a cada país decidir com que tipo de emigração se quer identificar: se com a emigração à base do valor e da cabeça; se com a emigração à base da força e do coração.

34. Atribuição de prémios

Fica feliz quem aceita um prémio atribuído por comprovado mérito. Fica triplamente feliz quem rejeita um prémio desses: pelo reconhecimento do mérito e, para além disso, pelo prazer de aproveitar o momento da rejeição para ser a voz dos discretos ou abafados talentos não bafejados pelo reconhecimento, e pela denúncia silenciosa dirigida aos vaidosos premiados que não têm a humildade de devolver os galardões desdourados quando depois comprovadamente imerecidos.

35. Empreendedorismo social

Se muito do empreendedorismo individual publicamente divulgado é pouco mais duradouro do que as festas com fogo-de-artifício, o tão badalado empreendedorismo social é um episódio de pólvora seca não escassas vezes banalizado e vandalizado. Quem é altruísta e tem um sentido humanista que o impele a pensar para além da primeira pessoa não necessita de se associar ao empreendedorismo social; pensa e age em nome da utilidade coletiva, sem perder tempo com a vinda de louros que rapidamente secam e perdem as propriedades naturais.

36. Tipos de felicidade

A felicidade pode ser suprema, terrena ou obscena. Alcança a suprema quem luta pelo bem coletivo, independentemente do efeito provocado no próprio interesse individual, por vezes abnegado. Consegue a terrena quem tem a consciência de evitar que a defesa do bem individual acarrete prejuízo para o coletivo. Atinge a obscena quem pretende o melhor para si, sem se importar com o que acontece ao coletivo. A primeira é rara e a segunda deveria ser a normal; mas a terceira é porventura a mais frequente.

37. Prémio Nobel da inovação

O primeiro prémio Nobel da inovação deveria ser atribuído a quem tivesse a capacidade de articular a política com a honestidade, podando os vícios do poder e enxertando neste último valores e ideias nobres em prol dos superiores interesses do bem comum e do futuro coletivo.

38. Loucura e engano

Há duas formas de as pessoas voarem sem a ajuda de máquinas: confiando cegamente ou nas suas próprias ilusões ou nas mentiras dos outros. Ambas as formas não são eficientes: a primeira, por falta de aderência à realidade; a segunda, por falta de aderência à verdade. Contudo a primeira é muito menos poluente; antes a loucura pessoal de quem, por vontade própria, não conduz o seu destino, do que o engano coletivo que, por manipulação, deforma o destino dos cândidos.

39. Verdade e independência

Os povos são independentes se pensarem por sua iniciativa e os seus representantes políticos seguirem a verdade. As duas condições apenas acontecem quando os cidadãos tiverem a invulgar humildade de exigirem essa verdade e reconhecerem que só assim se atinge a justiça. Quem crê que é difícil alcançar a verdade está assaz equivocado. Alcança-se com dois ingredientes simples mas valiosos: pão e educação.

40. Pontes seguras

As pontes mais seguras são as que ligam margens de pensamentos muito diferentes. O grau de desenvolvimento duma sociedade é proporcional às suas pontes de pensamento. As ideias de divisão erguidas como sinal de poder refugiam-se em bunkers de pensamento que acabarão destruídos e passarão por debaixo das pontes.

41. Liberdade incondicional

A liberdade incondicional é uma ilusão pois exige que o pensamento dos cidadãos seja incondicional, livre de qualquer mando. Existem pensamentos sobre verdades cristalinas e universais que dependem de autorização para desencalhar e zarpar. Eis a revolução em liberdade ainda por fazer; desta vez só os civis podem consumá-la.

quarta-feira, abril 08, 2015

O valor da Política e a Política com valor


A política é uma das mais nobres atividades do ser humano. Tudo o que discutimos é política e são política todas as nossas ações, reflexões e iniciativas. A política tem uma vastidão de braços com uma mão no fim e que nos abraça em todas as nossas manifestações humanas e enquanto seres sociais: a política da educação, a política social, a política da justiça, a política do emprego, a política monetária ou financeira, a política diplomática etc.

Por isso é hoje mais do que nunca relevante valorizar a política como nobre atividade que é. Embora encontremos níveis de compadrio, corrupção, clientelismo e também de nepotismo, a verdade é que, por tradição, alguns povos do norte da Europa olham para a política de uma forma diferente. Sem esquecer os aspetos atrás referidos pois sabemos que existem sempre exceções, a política é vista em países como a Finlândia, a Dinamarca, a Noruega ou a Suécia (são apenas uns exemplos) como uma missão, uma responsabilidade, um desiderato, cujos valores estão acima de tudo e para a qual, quer cidadãos quer políticos, devem contribuir, na qual todos têm que se envolver e sobre a qual devem assumir a maior respeitabilidade. Devia ser assim por aqui. O pior da política são os (alguns) políticos.

Deixou de ser uma ideia feita ou um preconceito, fazendo referência ao excelente artigo do meu amigo José Ferreira Alves, a tese de que "cada povo tem os políticos que merece". Passou já de um preconceito à realidade; de facto, cada povo tem os políticos que merece. Porque há os bons e há os maus e os maus, só lá estão porque o povo (os povos) o permitiram, por desleixo, desinteresse, por irresponsabilidade ou descomprometimento. Em suma, por culpa própria.

E temos hoje infelizmente exemplos de sobra sobre a fraqueza da nossa política. Não ao nível dos partidos. Estes são o que são, existem porque existem, são estes mas podiam ser outros, pelo que, se os cidadãos não se revêm nestes partidos, terão duas possibilidades de atuar: ou criam novos partidos ou entram nestes e apresentam propostas de mudança por dentro. Isto não se faz por uma só pessoa mas através de movimentos de muitas pessoas. Não é fácil, os resultados não são imediatos mas Roma e Pavia não se fizeram num só dia.

Os maus exemplos da política são os do dia a dia, quando se penhoram gaiolas de pássaros, aquários, unidades de fruta ou se despejam pessoas das suas casas por deverem ao Fisco um IMI de umas centenas de Euros. Esta é a política imunda, antissocial, antidemocrática que nos deve enojar e desejar a mudança. Esta é a política dos maus políticos. E o pior da política vem igualmente quando se perdem horas, dias, semanas de horário nobre nas TV´s e de resmas de páginas nos jornais diários , a discutir quem tem o melhor perfil para vir a ser um Presidente, como se o país não tivesse outros problemas a resolver. Quando não há emprego, quando não há cultura ou quando não há a justiça suficiente, para dar apenas uns parcos exemplos. Os cidadãos merecem que a política e os políticos os tratem com dignidade pelo que não podemos aceitar o que hoje se nos depara como a ditadura das finanças. Nem tudo se explica através de orçamentos e de contas de deve e haver, embora todos devamos saber fazer as contas do deve e haver.

Li há dias que o primeiro ministro do Japão pedia aumentos de salários às empresas e comparei com o que temos por cá. O Fisco pilha os cidadãos e a ameaça de novos impostos não está afastada até porque a fragilidade das finanças públicas e deste frágil equilíbrio orçamental, que pode ser perene, são como uma espécie de guilhotina sobre as nossas cabeças já que o fio que nos separa de uma crise é imensamente ténue. E tudo isto se passa à porta de eleições daqui a meses. Enquanto se discutem gaiolas, aquários e peças de fruta penhoradas ou o perfil do candidato a Belém, como se fosse este o gestor dos destinos do futuro, não se discutem as políticas da saúde, da educação, da justiça, do emprego ou da demografia.

No FRES discutimos política, falamos de política e agimos em prol da política. No FRES fazemos também política já que o livro que recentemente publicámos, espelha as nossas ideias de política: sobre a educação, sobre a demografia ou sobre a lei eleitoral, para dar apenas uns exemplos. Seria bom que as pessoas no geral e outros grupos em particular também se preocupassem e se ocupassem da política, para erradicar os piores políticos e ajudar a implementar melhores políticas. Assim como quem não tem medo, vergonha ou acanhamento em dar a cara por uma atividade tão nobre, afinal a mais nobre de todas, que é a política. 


terça-feira, abril 07, 2015

Preconceitos e Ideias Feitas ou o medo da mudança?



















Como nota introdutória deste texto, gostaria de clarificar que não se trata de uma crítica aos outros, mas de uma reflexão, enquanto cidadão e, de certo modo, uma auto crítica que, se porventura servir para ajudar outros a reflectirem sobre estas questões, deixar-me-á satisfeito e com o sentimento de ter dado o meu contributo.
Tão pouco é uma critica à mudança social operada em 1974, que tive o privilégio de presenciar e de colaborar enquanto militar e que nos trouxe importantes alterações sociais. Todavia, passados cerca de 40 anos sobre o evento, temos o direito e o dever de reflectir sobre a sua evolução que, como tudo na vida, tem pontos positivos e negativos.

No nosso dia a dia somos confrontados com opiniões sobre diversas situações e, sem nos darmos conta, ajuizamos muitas vezes com base em preconceitos, juízos previamente interiorizados, transmitidos e apreendidos através do nosso envolvimento social ou em ideias feitas, ideias formadas através da frequência de determinados eventos que a sociedade tende a generalizar e assumir como verdade. Porém, estes juízos falham pela falta de racionalidade, pela falta de argumentação sólida para justificar uma opinião, mais sustentados pelo diz que disse social e que tendem a ficar e a serem assumidos como uma realidade provada sem provas.

No primeiro caso temos assunções do tipo a homossexualidade é uma doença ou o lugar da mulher é em casa a cuidar dos filhos ou ainda os brancos são superiores às outras raças, admitindo sem necessidade de provar o que quer que seja, porque é a verdade e toda a gente sabe que é assim, porque sempre foi assim.

No segundo caso podemos encontrar atitudes tipo as mulheres conduzem pior que os homens ou sempre houve ricos e pobres como uma forma de justificar o injustificável, através de generalizações superficiais definindo certos estereótipos, cuja justificação se assemelha às respostas dadas às crianças na idade dos porquês, quando colocam questões mais ou menos incómodas aos pais e estes se limitam a responder-lhes porque sim e não se fala mais nisso.

Com este tipo de raciocínio, facilmente generalizamos, por exemplo, que os pobres são pouco cultos e têm fracas aptidões intelectuais ou que a mulher é o sexo fraco.

Lembro-me de quando tinha 15 anos, no antigo 6º ano liceal, actual 10º ano e se tinha a disciplina de Filosofia, foi permitido aos alunos questionarem sobre a realidade e as suas verdades e numa aula, obrigatória à época, de Religião e Moral, quando questionado sobre Deus e as suas (im)perfeições, o padre responsável pela disciplina, em resposta às dúvidas colocadas disse que compreender Deus é algo transcendente e está fora das capacidades do homem. Pois, é assim quando não se tem argumentos para justificar as nossas atitudes.

Tanspondo para a nossa vida quotidiana e concretamente para a política, o que se assemelha às atitudes acima descritas?

Haverá um preconceito ou ideia feita, criados por determinados partidos políticos, na qual só alguns têm competência para governar? Os outros são incompetentes, não têm experiência nem capacidade, só criticam e nada sabem fazer, porquê? Porque para aqueles partidos é conveniente, porque assim mantêm o seu estatuto de privilégio e é por estas e por outras que desde 1974 temos tido alternância, sem alternativa, sempre os mesmos a governar, ora uns ora outros, e os resultados práticos estão à vista. Insatisfação popular, exemplos atrás de exemplos de corrupção, de compadrio, de (des)governo em proveito próprio e a pobreza a aumentar. Afinal que tipo de competências nos apresentaram aqueles partidos? Que capacidades e conhecimentos nos demonstraram? Que mais valias trouxeram para a nossa vida? Faz-me recordar um estória que a minha avó contava sobre os avarentos e vigaristas, em que estes, quando se tratava de dividir com os outros os rendimentos obtidos, no tempo em que o dinheiro era patacas o faziam deste modo: pataca a mim, a mim pataca, pataca a ti. E, pelos vistos, a história repete-se.

E quando nos aproximamos das eleições lá vem o aviso, cuidado com os partidos fora do arco da governação, vão-nos afundar, vamos perder tudo, vamos ficar mais pobres, só sabem criticar, não têm competência nem experiência governativa. Mesmo sem sequer terem como o comprovar, emitem-se juízos à priori, sem fundamento lógico, apenas sustentados pelo receio de perderem o protagonismo, é a lógica do papão, como se ainda fossemos crianças, remetidas para o mundo dos fantasmas.

Claro que convém reafirmar o medo, os argumentos não mudaram, são, de certo modo, os mesmos do Estado Novo, a ameaça, agora não da prisão, mas do desemprego, da miséria, como se não houvesse desemprego e miséria a olhos vistos. O Povo português viveu sob o medo, acomodou-se e ficou algo apático até 1974. Acordou, reclamou, exigiu nem sempre bem, mas não se calou, e agora, o que difere do antigamente? Ah, pode-se falar, pode-se reclamar sem se ser preso, e depois? Depois, fica-se na lista das dispensas, dos excedentários, independentemente das suas competências, apenas porque se atreveu a falar, é uma outra forma de exclusão. O Povo português regrediu aos anos do Estado Novo, está apático, não reclama, tem medo, emigra, acentuando a tendência para sermos uma Nação cada vez mais pequena. Mesmo assim, alguns governantes, têm o despudor de falar sobre o problema da demografia como uma preocupação central a resolver, mas o que acontece a uma mulher que engravida? Tem o emprego garantido? Tem a sua vida profissional assegurada? Tem apoios na educação dos filhos? Ou há sugestões dissimuladas para se admitirem homens de preferência? Porquê? Porque não têm baixa de parto, porque não amamentam, porque em caso de doença são geralmente as mães que faltam para prestar apoio aos filhos. Porém, não faltam os defensores da maternidade, prometem leis, prometem sanções, tudo isto quando estão noutra dimensão da realidade, mas o que acontece no dia a dia nas empresas onde esses mesmos defensores têm cargos de decisão? Era interessante verificar.

E se face ao descontentamento o povo reclama que são necessários novos políticos com novas políticas, novos partidos alternativos, o que dizem os defensores do actual sistema? Partidos alternativos, tipo Syrisa Grego?  Deus nos livre, é o desastre, é a morte da democracia. Mas qual democracia? A de poder falar mesmo sem se ter o que comer? A de exigir menos austeridade e esta ser suportada pelos mais frágeis? Ou a impossibilidade de participar activamente na vida política do país, dado o sistema hermético em que vivemos, onde só os partidos definem quem participa e quem pode ser deputado à Assembleia da República que, por sua vez, é a única instância que pode legislar para alterar esta situação? Claro que não, e não bastasse a resistência dos partidos do sistema, contam com a preciosa ajuda da UE, na colocação de barreiras, em amedrontarem as pessoas, em criarem fantasmas e criticarem as alternativas, porque simplesmente não têm argumentos nem alternativas e só estão preocupados na manutenção dos seus lugares, dos seus privilégios, pois mesmo em tempos de austeridade, esta, como se sabe, não é igual para todos. Para quê pensar em alternativas, procurar encontrar soluções, basta colocar entraves para que os “Syrisa’s” deste mundo falhem, é mais fácil, não é preciso pensar nem provar nada, afinal sempre houve ricos e pobres, para quê pensar em algo que erradique a pobreza? É contra natura e se calhar Deus assim o quer. Então não há preocupação com os pobres? Não se criaram os Bancos Alimentares, as Ligas Contra a Fome, a Santa Casa da Misericórdia, não se atribuíu o Rendimento Social de Inserção? Enfim, é a política da caridadezinha, para a qual, sempre é mais conveniente dar, de vez em quando um pouco de peixe, do que ensinar a pescar.

E porque será que a Educação é um tema sempre presente e inacabado, cujo controlo é tão apetecível para certos extractos sociais? É que, sem formação, sem educação, se consegue manipular muito melhor o povo, pois todos sabemos que um povo culto é muito mais difícil de subjugar, porque sabe, porque conhece, porque contesta, porque questiona e é capaz de pensar e compreender e o medo com que lhes acenam não funciona.

Concluindo, será de continuar a dar o voto e a aprovação aos que nunca fizeram nada em favor do povo, aos que apenas se preocuparam em manter o “status quo”, aos de sempre que querem simplesmente defender os seus empregos e os seus privilégios? É que ser-se governante ou deputado, ao contrário do que se possa pensar, hoje já não é uma missão, passou a ser um modo de vida, um emprego e, como diz o povo, viver não custa, o que custa é saber viver.
Assim, será de continuar pela senda dos preconceitos e das ideias feitas, em vez de exigir novos políticos? Ou será de continuar a votar nestes, nos do costume, com o medo de mudar, refugiando-se no argumento de que com estes pelo menos sabemos o que nos espera. E o que nos espera, a continuidade da alternância na manutenção da ignorância do povo? Então votemos nos de sempre, para que as coisas se mantenham como sempre, mas para isso é conveniente que a Educação não avance, que continue apenas a ser, como sempre, uma paixão, senão ainda acaba por colocar em causa a lógica do medo e do papão.


segunda-feira, abril 06, 2015

Pássaro democrático



Constatei que no arvoredo perto da minha casa a passarada tem vivido assaz encantada. Agora muito mais do que noutras ocasiões. Os ornitólogos responderão que o meu conhecimento é inimigo da Natureza, por ser perfeitamente normal os pássaros ostentarem maior agitação e exibirem acrescida energia a partir do início da primavera, estação de nascimento de todas as esperanças. É verdade que sou leigo em ornitologia, mas não tanto assim ao ponto de ignorar a relação natural entre as aves e a época primaveril.

A minha dúvida residia noutra sede: no estado de espírito dos bicos e das asas. Consegui chegar à fala com o pássaro de meio palmo que se afeiçoou ao parapeito duma janela da minha casa. Apesar de fleumático, próprio das almas livres e senhoras de si, deu-me ouvidos quando argumentei que o facto de ele pousar no parapeito daquela janela e lá fazer tudo o que a sua vontade comanda era motivo bastante para depositar em mim alguma confiança.

Ainda que respondendo com nítidos sinais de afirmação e alguma inabalável altivez, intrínsecos às aves na primavera, admitiu anuir ao meu pedido: realizar uma reunião com alguns elementos do bando dos bicos e das asas contentes, no local e à hora por si fixados. O pássaro – como sou leigo em ornitologia, desconheço a espécie – avançou imediatamente que se eu pretendesse reunir com eles, teria de ser num espaço virtual, pois não estavam disponíveis para reuniões presenciais, tamanho o tempo que absorve a sua dedicação à alegria.

Não tive outra alternativa senão concordar com ele. Combinámos logo nesse preciso momento a data do encontro à distância. Vieram o dia e a hora marcados e lá estava o meu vizinho, ladeado por outros camaradas de voo. Foi uma conversa profícua para mim, através da qual pude ter uma noção sobre quem, apesar de pequeno, dispõe dum raio de visão muito maior e melhor do que o meu e os da minha espécie. Os pássaros, para sobreviverem e vencerem, têm necessidade de pensar superior e lateralmente. Ao invés, eu e os da minha espécie insistimos em viver e perder nos patamares inferiores e centrais que escolhemos.

Não querendo cometer inconfidências – porque são seres deveras discretos e pediram-me que fosse parcimonioso no relato que efetuasse da reunião –, confessaram-me que o ímpeto de entusiasmo, crescente até ao próximo dia 25 de abril, constitui unicamente o hino melodioso da liberdade, dedicado aos seus antepassados do pensamento democrático. Autorizaram-me todavia a divulgar, se tal pretendesse, a letra do chilreio, a qual foi criada por um versífero patrício de asas feridas no antanho da ansiada democracia. Agradeço copiosamente ao pássaro do parapeito, vizinho fiel, tão ignoto e invulgarmente nobre.

Do destino isolado
Colocada fui na cave
Subi alto em todo o lado
Voo ástreo coroado
Decisão de risco grave

Meu silêncio pressentiram
Andorinha no exílio
Mesmo longe bem ouviram
Aprenderam o que queriam
A coragem trouxe auxílio

A saudade tudo arrasa
Quanta lágrima caiu
Fiquei ferida numa asa
Todavia vim para casa
Nem o vento descobriu

Sofri tanto; longo apuro
Mas matei a velha idade
Enterrei um país duro
Levantando o hino puro
Da eterna liberdade